terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Um amor assim


Sempre quis. Todos queremos. Mesmo aqueles, entre nós, que dizem que não. É um desejo comum. Alguém. Que nos ame. Como o amor deve ser. Como ele se apresenta nas páginas dos livros e nas telas de cinema. Mas melhor. Melhor do que o melhor. Melhor ainda. Queremos todos, de alguma forma, não importa a cor com a qual pintamos o desejo. Esse amor.
Eu também quero. Sempre quis. Alguém que decidisse, todas as manhãs, olhar para mim e dizer que, mesmo antes de lavar as remelas e pintar o rosto, eu sou bonita. E que me sorrisse, de olhos ainda ensonados, como se visse, em mim, um milhar de sonhos concretizáveis e de possibilidades em aberto.
Alguém que me amasse assim. A ponto de dizer que ia lutar, dia após dia, a cada segundo. Com um objetivo. Só um. O de me dar o que eu preciso. O que eu quero. Até aquela extravagância meio louca, sem importância alguma, apenas para me fazer um pouquinho mais feliz.
Eu também quero. Sempre quis. Que não houvesse barreiras nem desistências na luta. E que fosse eterno. E que fosse real. E que fosse mais forte do que qualquer vento. Mais resiliente do que qualquer palavra. Mais real do que a morte.
Alguém que me amasse assim. Todos os dias. Sem excepções e sem tirar folgas do amor, só porque ocasionalmente ele pode doer. Sem resvalar nos imbróglios fugazes do tempo e sem questionar, nem por um segundo, a pureza do sentido que se entrega e se demora nas estradinhas da eternidade.
Eu quero. Sempre quis. Esse amor. O de alguém que me conhecesse. Mesmo nos meandros das coisas que não digo. Que soubesse todas as minhas ideias e todos os meus pensamentos, sem os julgar. Que conhecesse todos os meus pecados e, ainda assim, não me condenasse pelos crimes quotidianos. Que ousasse entrar nas cavernas mais escuras do meu peito para descobrir todos os recantos empetrecidos que lhe ornamentam as paredes.
Esse amor. Era esse amor que eu queria. O de alguém que, olhando dentro de mim, desejasse ser a melhor pessoa do mundo. O de alguém que não se importasse de andar pelos caminhos das silvas e dos espinhos para alcançar os meus sonhos. O de alguém que quisesse estar comigo mesmo quando a minha companhia não é prazenteira.
Era esse amor. O de alguém que ficasse sempre. Para sempre. Sem que eu tivesse dúvidas disso. E que me tolerasse o azedume. E que me acautelasse os medos explosivos. E que me acarinhasse as cicatrizes que ficaram pelas feridas. Alguém que me amasse, mais do que as perfeições – se elas existem! – justamente os cortes, cicatrizados ou não, por saber a força que modelou as batalhas que mas infligiram. E que, da minha amargura, fizesse arte. E que do meu riso fizesse alento. E que dos meus passos fizesse caminho.
É esse amor que eu quero. E nunca quis outra coisa. Nunca quis querer outra coisa. Só esse amor pleno, intemporal, incontestável, inabalável e incondicional, até à morte. E sabes? Não importa se não me amares assim. Eu amo-me assim.


Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet


Sigam também o meu instagram, aqui.  

Sem comentários: