quinta-feira, 2 de novembro de 2017

A lista III



Tenho três razões para ir embora e só uma para ficar.
Tudo é uma lista. Como aquela que se faz de compras. Onde se sobrepõem, de forma mais ou menos indiscriminada, conforme dita a memória, o papel higiénico, o vinho alentejano e o anel de diamante. E, em cada lista, o desenfreado do pensamento procura ler, nesse corrido de palavras mais ou menos soltas, os sentidos e as intencionalidades, para os arrumar nas prateleiras e corredores desse enorme mercado que é a vida.
Tenho feito listas. Sejam de compras, no fim do mês. De desejos, no fim do ano. Ou de mágoas, no fim do dia. E todas se estendem por infinitos, onde se lançam papiros no universo, formando estradas e vias lácteas, de luz e pó de estrela, até ao lugar do desconhecido.
Contigo, fiz uma lista. E outra lista depois. Até que, da soma de desejos acumulados, sobre como tu e eu seríamos nós - a agarrar o café e a manta e a deitar no chão das nuvens, olhando para o infinito - se foi somando o tempo e subtraindo a concretização. De feito e riscado, ficou apenas o traço. E o traço é linha. E a linha é cordel. E o cordel dá nó. Em torno de ti. De mim. Dos nossos braços. Das nossas intenções, que se largam para agarrar o aperto dessa corda que nos asfixia, pendurando-nos sem chão sobre o abismo onde, antes, dávamos as mãos durante o pôr-do-sol.
E, nesta espécie de feira de enganos em forma de lista, onde estiveram, já, tantos milhares de razões… sobraram só quatro. Tenho três razões para ir embora e só uma para ficar.
O mundo a preto e branco é a minha primeira razão. Sinto-me de papel. Como uma personagem que não escolhe o seu destino. Existo em duas dimensões e nenhuma delas é boa. Como se me movesse, parágrafo a parágrafo, numa história de parca imaginação, cíclica e imponderada. Quem me escreve, não me entende e não me constrói. Deixa-me no limiar dúbio entre ser gente e ser monstro e não ser ninguém. E largam-me as mãos que impacientemente me procuram em mim. Como não me encontram, entre o preto e o branco, assumem, também, que sou papel. E amarrotam-me. E deitam-me fora. Lembram-se de mim outra vez. E recomeça. Sinto-me de papel. Existo em duas dimensões. Já não sei ser gente.
Desta razão, nasce outra. Filha do zelo e das circunstâncias. O nutrir de um profundo desrespeito pela convencionalidade da moral e dos bons costumes que fizeram apodrecer o mundo. Nunca quis apodrecer com o mundo. Talvez tenha apodrecido contra ele. Mas com ele não. Porque nunca quis ser a peça que encaixa onde é suposto, cortando arestas mal feitas com a tesoura da censura e do medo. E sempre amei mais as arestas que me deixavam de fora desse quebra-cabeças insolucionável onde todos são miseravelmente felizes. A lutar contra o mundo, enraiveci os recantos aguçados do diálogo e do movimento. Talvez o zelo se tenha transformado em raiva. Mas é dele que faço muralha. E é nela que me resguardo, sempre que tentam fazer-me dócil. Sei que não sou. Dócil. Tampouco quero sê-lo. E não há espaço para as arestas.
Por fim, a mágoa. Minha irmã. Minha amiga. De longa data. De longo amor. Temos convivido, juntas, numa ilha bem nossa, atirando uma à outra piadas despropositadas sobre a morte precoce. Temos um acordo tácito, sobre como ela se alimenta dos meus pesares e, em retorno, me sustenta a escrita e a adormece, qual aia antiga, embalando-me os sonhos, os dons, as palavras. Pudesse eu sentir no corpo a paixão que lhe dedico e teria, com ela, o mais tórrido dos romances de amor. Mas ela não sabe sentir atração por ninguém. E não tem, de mim, outro sentido que não este, que a faz parte integrante da família dos sentidos. Com ela, vou a todo o lado e disperso facilmente a felicidade, como quem abana a mão em frente ao fumo de um cigarro. Quem vem comigo, quer o fumo. Porque a visão clara do mundo traz dor agarrada nos seus sapatos. E a mágoa que fica depois, essa que trago comigo – minha irmã, minha amiga – ela não é para toda a gente.
Esta é a lista. E, nesta lista, encontro três razões, válidas e concretas, para fazer malas e ir embora. Seria, talvez, um bem universal, ou só teu. Ou um bem para os dois. Ou para os três, posto que não sobra quem se vai colando às paredes rachadas de nós, à espera do tempo e do espaço certo para entrar. Mas sobra-me uma, sabes? Uma razão. Para ficar.
A minha razão para ficar é muito simples: amo-te.
Podia falar de um mundo a cores e em três dimensões, da debilidade inocente, de rosto corado e sorriso nos lábios ou elogiar o bater arrítmico do coração, quando a mágoa vai e é só paixão. Mas a razão não é essa. A razão é outra. Amo-te.
E, nesta concreta lista de prós e contras, que é já a terceira que faço para nós, põe-se na balança tudo. As três razões que se justificam, com medidas de infinitude, longamente; contra a palavrita de cinco letras separadas por um hífen, que nem sequer dá para explicar.
E fico. Com o prato direito da balança a tocar o chão e as dúvidas lançadas ao ar, como se o amor fosse chumbo e me libertasse das penas.
Tenho três razões para ir embora e só uma para ficar. Podiam ser mil razões para ir embora e só uma para ficar. Ficaria, ainda assim. Porque não há razão mais forte. Porque não há motivo mais bonito. Porque não há nada melhor do que aquilo que não se consegue explicar. E a razão é esta. Só esta. Amo-te.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.  

Sem comentários: