terça-feira, 21 de novembro de 2017

Privilégio



O mesmo corpo que levanto da cama, ela levanta do chão. E avançamos as duas, sonolentas. O mesmo rosto, do qual lavo as remelas amareladas do sono, ela lava para tentar esconder as horas por dormir. E os passos que dou, nas meias quentes que a minha mãe me ofereceu, ela dá descalça, sobre as pedras frias.
Eu não sei a sorte que tenho por ter quentura nos pés.
Ela acha que tem sorte porque ainda está viva.
Reclamo da fruta, demasiado madura, que me espera na fruteira. E ela colhe o fruto, agradecendo à terra que lho dá, dividindo-o em dois para que também o filho coma. E vamos as duas, debaixo do mesmo sol.
Envolvem-me os braços do meu amor. Do meu amante. Carinhosos e cheios de promessas, fazendo do meu corpo templo, que se honra com sedução e ternura. O meu corpo branco e esguio. E lançam-na contra o chão, de novo, os braços rudes e violentos dele. Que a massacra e a desonra, violentando-lhe a carne. Entrando-lhe na carne. Exigindo-lhe da carne o fruto que ela não quer e a força que ela não tem. No corpo negro e subnutrido. Fitando o teto, com olhos laços e vazios. Ela entoa uma canção. Calada. Para dentro.E reza pelo que vem depois. Seja o que for.
Eu não sei a sorte que tenho por ter o amor de alguém.
Ela acha que tem sorte porque ainda está viva.
Passo nas mãos o unguento aveludado, de aroma a framboesa, para as hidratar. Julgo-as desengraçadas e secas. E sinto o calor da mão que se dá a essa a outra, menos feia. Ela agarra nas enxadas e vai. Tem calos nas mãos que dá ao martírio. E agradece por tê-las. As mãos.
Também agradece por ter pés, enquanto eu calço os sapatos de salto e reclamo por tê-los. E agradece por ter comida, enquanto eu reclamo do número de calorias que me enchem o prato guloso.
Andamos sob o mesmo sol. E sobre a mesma terra. Eu reclamo que não me entendem. Ela não sabe que não a entendem. Na maioria dos dias, ela pouco conhece além do dia que lhe nasce e da noite que a leva até ao dia que vem a seguir.
Eu não sei a sorte que tenho por andar sobre esta terra.
Ela acha que tem sorte porque ainda está viva.
Somos iguais. Gostamos de dizer. Que o somos. Iguais. Podemos perder o nosso tempo a dizê-lo. Porque faz parte do privilégio falar. Para dizer. Que somos. Iguais.
Ela não sabe se somos iguais. E eu só finjo que sei. Tento convencer-me de que o sei. Como se soubesse. Como se fosse verdade. Mas só porque quando traçaram a linha, eu fiquei a norte.




Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.  

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Tu sabes


Para a minha mãe

Sabes quem eu sou.
E foram muitos a achar que sabiam quem eu era. Mas não. Não sabiam. Porque havia uma capa. E sob ela um invólucro. E sob ele a muralha. E atrás dela três níveis de fingimento. E mais dois de agressividade. E pelo menos um de dissimulação. Eu permanecia atrás delas. E não. Eles não sabiam. Eles não sabem. Nunca souberam. Quem eu sou.
Tu sabes.
Sabendo, rasgaste a capa. E depois o invólucro. Quebraste as pedras da muralha. E permeaste os níveis de fingimento; combatendo fogo com fogo na minha agressividade e ganhando-me com a confiança que dissipava a hipocrisia. Atrás delas, estava eu. Mas não um eu como não imaginavas que eu fosse. Eu, como já sabias que eu era. Enquanto eles não sabiam. Porque eles nunca souberam. Quem eu sou.
Sabes quem eu sou.
Talvez porque te cresci nas entranhas. Talvez porque me expulsaste de ti apenas para me envolveres nos braços. Guerreira planetária. Pantera negra. Rugindo. Alto. Na voz de ventos descobertos em mares de além. Tinhas um povo. Eras um povo. Um exército de proteção em meu redor. Mesmo antes da capa. Mesmo antes do invólucro. Mesmo antes da muralha. Contra tudo e todos. E mais os outros que pudessem vir. Eras. Foste. És. Serás sempre. Esses braços de ferro e fogo. Que me aquecem com ternura e condenam quem me macula. No mesmo tom. Pelo mesmo sentido.
Tu sabes.
Talvez porque me viste ser menina. Ou talvez porque me viste ser mulher. Ou talvez porque me viste ser monstro. Não sei a razão. Mas sabes o que fica por baixo da pele queimada da vida. Como quem sabe de vidas nunca vividas. Ou de tempos por devir. E, sabendo, acalentas com palavras ou conselhos ou insultos de baixo espectro esse eu que, por vezes, nem eu mesma sei que sou.
Tu sabes quem eu sou.
Penso que o saibas, também, porque me construíste do zero. Me produziste do nada. Me moldaste de um barro muito próprio e pessoal, com partes de ti e da tua alma. Gosto de pensar que partilhamos. A alma. O coração. Gosto de pensar que nos partilhamos. Encaixando noções do mundo em espaços desusados que as outras pessoas não aceitam e não entendem. Talvez por não entenderem, as outras pessoas não sabem. Quem eu sou. Mas tu sabes. Ainda que não o digas. Tu sabes. E eu sei que sim.
Saber é muito importante num mundo de enganos.
Saber é muito importante num mundo de ignorância.
Quem sabe é quem está. Quem fica. Quem não nos deixa sós.
Sabemos.
Sabes bem quem eu sou.
E eu sei bem quem tu és.
Tu és a pessoa que sabe. Mesmo o que mais ninguém sabe. Mesmo o que nunca ninguém soube. Mesmo que mais ninguém saiba. Tu sabes de mim.
Quero dizer-te uma coisa. Não digo. Basta um olhar. As outras pessoas não vão entender. Tu vais. Porque tu sabes.
E está tudo dito.


Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.  

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Burocracia



É uma espécie de plataforma legal. Que nos leva. Lentamente. Na fluidez de um tempo próprio. Que se estende e expande, até que cada segundo seja uma hora e nela saibamos puxar fios soltos de uma tapeçaria que nunca acaba.
Algures, para não ficarmos enrolados nesse tear constante de possibilidades que nunca se concretizam, vamos enredando diminutos nós de forca e usando as linhas como gargantilhas. E vão puxando, todos os dias um bocadinho, o chão debaixo dos nossos pés. Com as mãos do silêncio e da improficiência grosseira, resultado de muitas inépcias e muito ócio fora de tempo. Obrigando-nos a ficar num posicionamento débil de equilíbrio, nas pontas dos dedos, fazendo um bailado sobre o ar. Se nos chega a dor sistémica, falta-nos a leveza dizível. E tombamos.
Um aplauso. Um riso. Uma frase feita de clichés. Tudo melhor do que nada. Mas vem isso. O nada. Sem aplauso ou riso ou cliché. Sonhamos. Queremos. Outra coisa. Qualquer coisa. É um desejo onírico, onde se trazem vulgaridades dependuradas nas mesmas cordas que se enlaçam e nos libertam da necessidade inusitada da respiração.
É uma espécie de plataforma funcional. Diz que é. Diz. Funcional. E permanece na disfunção de o ser porque quem tem a competência de fazer andar os relógios não são as mãos que laboram nos ponteiros. E, se o fossem, seriam máquinas. De pouco valeria falar de sensatez ou de indigência. De pouco valeria… e de pouco vale. Que os queixumes nunca ultrapassam as portas da hierarquia e, quem tem o poder, quer desfruir dele antes que se evada.
E fica no ar esse toque aromático, um tanto pútrido, de uma espera que se faz às portas da mesma casa que nos devia levar, em braços, até ao patamar onde converge excelência, sonho e sensatez. Porque, para que se passem as portas, é preciso que alguém decida. E tome o bravo e ousado ato de mover a mão para assinar e carimbar um papel.
É só silêncio. Uma espécie de plataforma legal. De legalidade questionável. E com o bom senso enterrado, sob fios de uma eterna tapeçaria e mil requerimentos e dez mil lamúrias. Leva-nos. Levemente. Na fluidez de um tempo próprio. De um tempo estático. Onde nada acontece. Mas tudo envelhece. Até a história. E, nessa história que se faz velha, há sempre uma razão. Tudo se justifica. Como é fácil justificar o tanto que não se diz.
É uma espécie de plataforma legal. Que se diz funcional. Disfuncional. E só.


Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.  

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

A lista III



Tenho três razões para ir embora e só uma para ficar.
Tudo é uma lista. Como aquela que se faz de compras. Onde se sobrepõem, de forma mais ou menos indiscriminada, conforme dita a memória, o papel higiénico, o vinho alentejano e o anel de diamante. E, em cada lista, o desenfreado do pensamento procura ler, nesse corrido de palavras mais ou menos soltas, os sentidos e as intencionalidades, para os arrumar nas prateleiras e corredores desse enorme mercado que é a vida.
Tenho feito listas. Sejam de compras, no fim do mês. De desejos, no fim do ano. Ou de mágoas, no fim do dia. E todas se estendem por infinitos, onde se lançam papiros no universo, formando estradas e vias lácteas, de luz e pó de estrela, até ao lugar do desconhecido.
Contigo, fiz uma lista. E outra lista depois. Até que, da soma de desejos acumulados, sobre como tu e eu seríamos nós - a agarrar o café e a manta e a deitar no chão das nuvens, olhando para o infinito - se foi somando o tempo e subtraindo a concretização. De feito e riscado, ficou apenas o traço. E o traço é linha. E a linha é cordel. E o cordel dá nó. Em torno de ti. De mim. Dos nossos braços. Das nossas intenções, que se largam para agarrar o aperto dessa corda que nos asfixia, pendurando-nos sem chão sobre o abismo onde, antes, dávamos as mãos durante o pôr-do-sol.
E, nesta espécie de feira de enganos em forma de lista, onde estiveram, já, tantos milhares de razões… sobraram só quatro. Tenho três razões para ir embora e só uma para ficar.
O mundo a preto e branco é a minha primeira razão. Sinto-me de papel. Como uma personagem que não escolhe o seu destino. Existo em duas dimensões e nenhuma delas é boa. Como se me movesse, parágrafo a parágrafo, numa história de parca imaginação, cíclica e imponderada. Quem me escreve, não me entende e não me constrói. Deixa-me no limiar dúbio entre ser gente e ser monstro e não ser ninguém. E largam-me as mãos que impacientemente me procuram em mim. Como não me encontram, entre o preto e o branco, assumem, também, que sou papel. E amarrotam-me. E deitam-me fora. Lembram-se de mim outra vez. E recomeça. Sinto-me de papel. Existo em duas dimensões. Já não sei ser gente.
Desta razão, nasce outra. Filha do zelo e das circunstâncias. O nutrir de um profundo desrespeito pela convencionalidade da moral e dos bons costumes que fizeram apodrecer o mundo. Nunca quis apodrecer com o mundo. Talvez tenha apodrecido contra ele. Mas com ele não. Porque nunca quis ser a peça que encaixa onde é suposto, cortando arestas mal feitas com a tesoura da censura e do medo. E sempre amei mais as arestas que me deixavam de fora desse quebra-cabeças insolucionável onde todos são miseravelmente felizes. A lutar contra o mundo, enraiveci os recantos aguçados do diálogo e do movimento. Talvez o zelo se tenha transformado em raiva. Mas é dele que faço muralha. E é nela que me resguardo, sempre que tentam fazer-me dócil. Sei que não sou. Dócil. Tampouco quero sê-lo. E não há espaço para as arestas.
Por fim, a mágoa. Minha irmã. Minha amiga. De longa data. De longo amor. Temos convivido, juntas, numa ilha bem nossa, atirando uma à outra piadas despropositadas sobre a morte precoce. Temos um acordo tácito, sobre como ela se alimenta dos meus pesares e, em retorno, me sustenta a escrita e a adormece, qual aia antiga, embalando-me os sonhos, os dons, as palavras. Pudesse eu sentir no corpo a paixão que lhe dedico e teria, com ela, o mais tórrido dos romances de amor. Mas ela não sabe sentir atração por ninguém. E não tem, de mim, outro sentido que não este, que a faz parte integrante da família dos sentidos. Com ela, vou a todo o lado e disperso facilmente a felicidade, como quem abana a mão em frente ao fumo de um cigarro. Quem vem comigo, quer o fumo. Porque a visão clara do mundo traz dor agarrada nos seus sapatos. E a mágoa que fica depois, essa que trago comigo – minha irmã, minha amiga – ela não é para toda a gente.
Esta é a lista. E, nesta lista, encontro três razões, válidas e concretas, para fazer malas e ir embora. Seria, talvez, um bem universal, ou só teu. Ou um bem para os dois. Ou para os três, posto que não sobra quem se vai colando às paredes rachadas de nós, à espera do tempo e do espaço certo para entrar. Mas sobra-me uma, sabes? Uma razão. Para ficar.
A minha razão para ficar é muito simples: amo-te.
Podia falar de um mundo a cores e em três dimensões, da debilidade inocente, de rosto corado e sorriso nos lábios ou elogiar o bater arrítmico do coração, quando a mágoa vai e é só paixão. Mas a razão não é essa. A razão é outra. Amo-te.
E, nesta concreta lista de prós e contras, que é já a terceira que faço para nós, põe-se na balança tudo. As três razões que se justificam, com medidas de infinitude, longamente; contra a palavrita de cinco letras separadas por um hífen, que nem sequer dá para explicar.
E fico. Com o prato direito da balança a tocar o chão e as dúvidas lançadas ao ar, como se o amor fosse chumbo e me libertasse das penas.
Tenho três razões para ir embora e só uma para ficar. Podiam ser mil razões para ir embora e só uma para ficar. Ficaria, ainda assim. Porque não há razão mais forte. Porque não há motivo mais bonito. Porque não há nada melhor do que aquilo que não se consegue explicar. E a razão é esta. Só esta. Amo-te.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.