sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Um beijo antes de dormir



Para a minha avó

Batem as nove. Bate a saudade. Bate o desejo de ouvir a tua voz. Um bater incompreensível de ideias. Esbatidas mas constantes. No bater do ponteiro dos minutos e das horas. No bater das nove.
Bate o cansaço. E a vontade de saber que estás bem. Bate o coração. Compassado. Descompassado. Cheio de amor. Batem, no bater das nove.
Bate à porta a noite que se queda. E cai, com ela, um sol que me é destino e passagem, no nascer da lua. Conforta-me a ideia da lua, que é a mesma na distância entre nós, e nos faz presença. Quando bate. A saudade. Pelas nove.
Batem as nove. Bate a saudade. Bate o desejo de ouvir a tua voz. Já se faz noite. Já se faz hora. Toca o sinal da recolha. Toca uma música na rádio. Toca o sino na distância. A anunciar. O toque do amor. Que ecoa nas entrelinhas do nosso encantamento. Que ecoa na vontade da troca de palavras. Batem as nove. Toca o sino. E o telefone também.
Toca o telefone. Nele, a tua voz traz o bater do carinho, feito aconchego. As tuas palavras são cobertores bem puxados junto às orelhas e camas preparadas com cautela. E, na tua voz, toca-me, com um saudosismo inerente, a mão que me afaga a vida e me dá alento para suportar a noite que queda e o dia que vem a seguir. Toca o telefone e tocas-me, com as pontas dos dedos da voz. Há traços de canto na melodia das palavras que me dedicas. Todas as noites. No bater das nove.
Uma canção de embalar. Vem em forma de rotina. No bater das nove. No toque do telefone. Todos os dias. Quando me bate a saudade. E me acautelas o medo dos mostrengos que se escondem nas sombras do meu desassossego. Há amor na tua voz. E ele é luz. E não há sombras quando falas comigo.
Batem as nove. Bate a saudade. Tocas-me na distância da chamada. E ficas perto. Até que o calor do abraço pensado se faz gente e me envolve, mesmo longe. Há um calor que me adentra. Vem de ti. No bater das nove. E fica a rondar, noite fora, abençoando-me as madrugadas.
Nos dias bons. Nos dias maus. Nos dias. Bate. Pelas nove. Esta vontade de te sentir. E vens. Religiosamente. Com a tua voz. E o teu amor. E o teu carinho. Cheia de tudo o que falta ao mundo. Fazes parar o relógio na ternura da tua voz. Ficas próxima, por alguns minutos, na presença quente das palavras. Abraças-me, assim, até aos ossos, até à alma, até ao coração. E ficas dentro dele. Permanentemente. A tempo inteiro. Gosto de te ter lá.
É um amor que me bate no peito o dia todo. Concretizando-se, todos os dias. Com um beijo antes de dormir. No bater das nove.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.  

Sem comentários: