quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Cautela e Caldo de Galinha



O meu bisavô costumava dizê-lo. Cautela e caldo de galinha nunca fez mal a ninguém. Disse-o, provavelmente, porque o seu pai lho dizia. E lhe bebeu as palavras, juntamente com o caldo e a cautela.
No tempo do meu bisavô era tudo diferente. Até a galinha, que não nascia, ainda, depenada e encolhida nas cuvetes de supermercado. Até o caldo, que era rico e aromático, parco de sal mas repleto de sabores do campo. Até a cautela, que se estendia por ruas onde não passavam tantos carros como maus-olhados. Mas era um conselho intemporal, deixado pelo seu pai, que o ouvira do pai dele. E que se repetiu até me chegar. Servido com requinte num prato dourado de muitos passados, na forma de cautela e de caldo de galinha.
Foi um dito que, de tão intrinsecamente nosso, nos moldou ações e nos definiu rumos. Às vezes de maneira espalhafatosa, evidente; mas outras de forma subtil e amena. Foi um dito que se estendeu nos limites murados das nossas peles e nos tornou monstros entre os humanos, cuja cautela é parca e o caldo de galinha não serve.
Na intempestividade das almas modernas, ter cautela já não significa não ir. Porque seria impossível a resistência perante a impulsão audaciosa da aventura e da concretização. Significa ir, por vezes devagar, por vezes a correr. E aceitar os trilhos como caminho, sabendo-os sinuosos e cheios de pedras e abismos. E abraçar essas pedras e esses abismos, até que sejam parte de nós. Fazer deles amigos de longa data, sabendo que é entre os homens e as mulheres que se encontram as barreiras. E acautelando, por isso mesmo, os contactos humanos.
Se nos fere a alma o encontro com a desonestidade e a pobreza de espírito, logo surge um novo acordo eminente. O de aquecer por dentro o que se resguarda longe do olhar alheio, com palavras de alento e caldos de galinha. E neles se curam mágoas. Como se ondeasse, no líquido turvo da tigela, também o conselho que o meu bisavô deu à minha avó e que ela me deu: "Cautela e caldo de galinha nunca fez mal a ninguém".
Levo o conselho comigo. Nas minhas aventuras. Até ao lugar louco onde a cautela, no seu sentido mais lato, não me permitiria chegar. E, ao levá-la, assumo o risco consciente de que posso ficar doente por entre estes mundos, repletos de gente que não teve um bisavô de sábio conselho. Mas vou. Com cautela mas sem medo. Porque é indo que me faço digna das palavras que me chegaram.
E se, no caminho, pedras, abismos ou gentes, cortarem em pedaços a chama da minha intencionalidade e a ferida alastrar pelas ramificações da alma? – perguntaria alguém, em nome da cautela. Sorrio. Não será nada que a cautela e um caldo de galinha não curem. E, se não curarem… também nunca fizeram mal a ninguém.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.  

Sem comentários: