terça-feira, 18 de julho de 2017

Número e medida



Tenho mãos. Elas são garras. Tenho feito, com elas, poemas e cicatrizes. Em igual número e medida, para que não pensem que sou gente e não digam que sou monstro. Mas, olhando para as minhas mãos, quase todos viram o monstro. Tu não. Tu viste gente.
Tenho olhos. Eles são balas. Tenho feito, com eles, apreciações do mundo e indignação. Pousando-o sempre no concreto das coisas e fechando-os sempre para sonhar. Faço-o para que não pensem que sou toda fantasia e não digam que finco no chão os pés que pisam gentia. Mas, olhando para os meus olhos, quase todos viram a mágoa. Tu não. Tu viste o Reino dos Sonhos, Quimera, pedras com feridas e fadas.
Tenho lábios. Eles são pedra. Tenho feito, com eles, frases de apreciação e críticas vorazes. Em igual número e medida, para que não pensem que sou doce e não digam que sou ácida. Mas, olhando para os meus lábios, quase todos viram o azedume. Tu não. Tu viste o nascer de um beijo, frutado e untado a mel.
Tenho pés. Eles são vento. Tenho feito, com eles, viagem que me levam às pessoas e corridas que me levam para longe delas. Em igual número, é verdade, para que não digam que vou sempre e não pensem que me quedo, estática, num lugar só. Mas, olhando para os meus pés, quase todos viram a partida. Tu não. Tu viste raízes e asas.
No centro de tudo o que és, dou por mim a querer fugir. Dos teus olhos. Desses que vêem o melhor de mim e não se assustam com o pior. Tentei fugir da loucura dos teus olhos. Que me olham. E me amam. E me acolhem. Ainda que as mãos sejam garras, e os olhos sejam balas, e os lábios sejam pedra e os pés sejam vento. Tentei ir. Mas batalhaste. Lutaste. Por mim. E bateu forte no peito, como a saudade, mas em forma de gente. Em forma de monstro. Em forma de nós.
Tenho coração. Ele é espada. Tenho feito, com ele, cortes irreversíveis e nomeações reais. Não em igual número. Não em igual medida. Matei muitos. Distingui um. Tu. Porque nunca ninguém me viu o coração. Mas tu viste. Porque os outros me fizeram rir ou chorar, mas nunca ambas. E porque és o único que consegue arruinar-me a maquilhagem com beijos e lágrimas e, ainda assim, fazer-me sentir a mulher mais bonita do mundo.
Tenho coração. Tinha coração. Tive coração. Ele era espada.
Hoje é teu.



Marina Ferraz


*Imagem retirada da Internet




Sigam também o meu instagram, aqui.   


Sem comentários: